19 de set de 2010

Humanistas homenageiam Silo em sua partida


Fotos: 1- Ehrick, Silo, Gerson e Marcos / 2- Silo


El Movimiento por la Paz, la Soberanía y la Solidaridad entre los Pueblos (Mopassol) expresa su pesar por el fallecimiento del pensador Mario Luis Rodríguez Cobos (Silo) , fundador del "Nuevo Humanismo" cuya contribución a la causa de la vida sobre la tierra, a la lucha contra las armas nucleares y a la defensa de la paz es hoy reconocida por millones de personas en el mundo entero. Expresamos nuestras sinceras condolencias a los apreciados compañeros y compañeras del Partido Humanista en la Argentina y en particular a nuestro querido compañero y amigo Jorge D'Alesio, miembro de la Mesa Directiva del Mopassol, con quienes hemos tenido ocasión de compartir valiosas jornadas militantes durante la reciente Marcha Mundial por la Paz inspirada en los ideales de Silo.

Por la Mesa Directiva del Mopassol.
Rina Bertaccini y Stella Calloni

Buenos Aires, 18 de septiembre de 2010

------------------

sábado 18 de setembro de 2010, por Ana Facundes

O escritor e pensador Mario Luis Rodríguez Cobos, mais conhecido como Silo, fundador do Movimento Humanista, morreu na noite desta quinta-feira (16), aos 72 anos em sua casa, em Mendoza, Argentina.

Silo enfrentava há mais de um ano uma insuficiência renal e havia decidido não fazer transplante, nem hemodiálise ou dieta. Segundo Tomás Hirsch, seu amigo há décadas e ex-candidato à presidência do Chile,“ele faleceu como alguém que não apenas não acreditava na morte, mas sobretudo considerava a vida como parte de uma transcendência”.

A Comunidade para o Desenvolvimento Humano, a Convergência das Culturas, o Centro Mundial de Estudos Humanistas, o Partido Humanista e o Mundo sem Guerras e sem Violência são organizações, entre outras frentes de ação, inspiradas pelo Humanismo Universalista, corrente de pensamento fundada por Silo e que convoca à luta contra toda forma de violência e discriminação, indicando a necessidade de uma transformação social e pessoal simultâneas baseadas na coerência e na solidariedade.

Sua primeira aparição pública aconteceu em 4 de maio de 1969, com a arenga "A Cura do Sofrimento", em que lançou as bases para a formação do Movimento Humanista, em plena ditadura militar na Argentina.

Com a notícia de seu falecimento, em pouco tempo, os humanistas se reuniam nos Parques de Estudo Reflexão – projeto lançado por Silo em 2002. Em países tão diferentes quanto Filipinas, Moçambique, Brasil, Alemanha, Bolívia, México, Espanha, Itália, Índia, Chile, Colômbia, Hungria e Estados Unidos, os ativistas se reuniram nesses espaços dedicados ao estudo, ao autoconhecimento e à não-violência para celebrar a vida de um homem cujas ações transcendem esse espaço e esse tempo.

Sua última aparição pública ocorreu no encerramento da Marcha Mundial pela Paz e Não-Violência, que partiu da Nova Zelândia, em 2 de outubro de 2009 e terminou em Punta de Vacas, Mendoza, Argentina, em 2 de janeiro de 2010. Essa ação inspirada por Silo transformou-se em uma grande mobilização planetária para exigir o desarmamento nuclear mundial, o fim das guerras, a retirada das tropas invasoras dos territórios ocupados, além de criar consciência sobre os diversos tipos de violência exercidos pelo sistema e a violência interna que precisa ser desarmada em cada um através do compromisso com a não-violência.

Sua obra inclui os títulos O Olhar Interior (1980), A Paisagem Interna (1981), Humanizar a Terra (1989), Experiências Guiadas (1989), Contribuições ao Pensamento (1991), Mitos, Raízes Universais (1991), Cartas a meus Amigos (1993), O Dia do Leão Alado (1993), Dicionário do Novo Humanismo (1996), Fala Silo (1996), Apontamentos de Psicologia (2006). Todos os livros estão disponíveis para download integral em diversos idiomas no site abaixo.

NOTA DO BLOGUEIRO:

Conheci Silo em 2008, na cidade de Cotia-SP, no Parque de Estudo e Reflexão de Caucaia. Foi meu contato inesquecível com este humanista e seu amigo Tomás Hirsch (ex-candidato à presidência do Chile). Em breve mais considerações sobre Silo e o Movimento Humanista Internacional.

Paz, força e alegria, onde estiveres Silo!

Nenhum comentário: