31 de jul de 2008

DESPEDIDA

É com uma mistura de tristeza, alegria e expectativas que me despeço de todos os cariocas. Por questões profissionais vou morar em Curitiba-PR. Na semana que vem vou embora. Quero dizer que foi uma experiência única para mim esses 19 meses que permaneci aqui. Conheci pessoas únicas, deixo alguns amigos e a lembrança de momentos maravilhosos.

Fica a minha homenagem a todos os cariocas com a composição de uma gaúcha:

Cariocas

Adriana Calcanhoto

Composição: Adriana Calcanhoto

CARIOCAS SÃO BONITOS
CARIOCAS SÃO BACANAS
CARIOCAS SÃO SACANAS
CARIOCAS SÃO DOURADOS
CARIOCAS SÃO MODERNOS
CARIOCAS SÃO ESPERTOS
CARIOCAS SÃO DIRETOS
CARIOCAS NÃO GOSTAM
DE DIAS NUBLADOS

CARIOCAS NASCEM BAMBAS
CARIOCAS NASCEM CRAQUES
CARIOCAS TÊM SOTAQUE
CARIOCAS SÃO ALEGRES
CARIOCAS SÃO ATENTOS
CARIOCAS SÃO TÃO SEXYS
CARIOCAS SÃO TÃO CLAROS
CARIOCAS NÃO GOSTAM
DE SINAL FECHADO

Gerson Vieira

29 de jul de 2008

Os Estados Unidos reativam sua Quarta Frota



Os Estados Unidos reativam sua Quarta Frota


Desde a época das ditaduras na América Latina, as quais foram amplamente apoiadas pelos EUA, a pretexto de defender a “democracia” ameaçada pelos “comunistas”, que os EUA vem interferindo nas políticas dos governos latino-americanos. Em 2002 orquestrou um golpe militar na Venezuela que depôs Hugo Chavez. O golpe não se consolidou, pois Hugo Chaves retornou ao governo pouco tempo depois, através da mobilização popular. Em primeiro de março de 2008 a Colômbia – único país da AL alinhado aos EUA e fortemente armado por ele – invadiu a Venezuela, sob o pretexto de combater as FARC. Pouco depois um avião militar norte-americano ainda invadiu o espaço aéreo da Venezuela.
O provável futuro presidente dos EUA, Barak Obama, não deixa dúvidas quanto à política que deve ser adotada pelo país: “Apoiaremos o direito da Colômbia de atacar terroristas que buscam abrigo seguro cruzando a fronteira”. Também não é de hoje que os EUA vem insistindo na propaganda (sem conexão com a realidade) de que o terrorismo islâmico estaria se instalando na região da fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina, o mesmo pretexto que levaram os EUA a invadir o Iraque. Parece que o EUA está mais uma vez tentando armar um conflito na América Latina, o que lhe daria um pretexto para uma ocupação de território e bens.
Por esses motivos e vários outros, provavelmente não por coincidência, após a descoberta de megacampos de petróleo no Brasil, os EUA resolveram reativar a Quarta Frota, voltada para operações navais na AL, um poder ao qual nenhum país do continente tem condições de se opor.
Temos ainda um bem precioso para a humanidade, a água potável, aqui existe uma quantidade inexistente em outra parte do planeta. Ao norte do continente, a Amazônia; ao sul, grandes rios como o Paraná, o Iguaçu, o Paraguai e o Uruguai, que se somam à maior reserva subterrânea de água potável do mundo, o Aqüífero Guarani, que estende pelo Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Estimativas dão conta que essas reservas podem garantir o suprimento de todo o planeta por 180 anos, observada uma média diária de consumo de 100 litros por pessoa. Ah, estava esquecendo: a Quarta Frota já esteve bem pertinho de nós, na Baía da Guanabara, um pouco antes do golpe militar de 1964, pronta para intervir no país. A história pode se repetir na América Latina...
___________________________________________________________

Gerson Vieira – poeta e cronista, ex-diretor do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, delegado sindical BB - Agência Botafogo-RJ.

Imagem: Google

28 de jul de 2008

10a. CONFERÊNCIA NACIONAL D@S BANCÁRI@S

Entre os dias 25 e 27 de julho, foram aprovados para a campanha salarial dos bancários de 2008 os seguintes eixos: aumento real de salário, elevação e simplificação da PLR, fim do assédio moral e das metas abusivas, valorização dos pisos, PCS para todos, mais segurança nas agências e criação de planos de previdência complementar para toda a categoria.Nesses dias, divididas por grupos temáticos, foram discutidas várias reivindicações da categoria pelos 830 delegados presentes à 10ª Conferência Nacional.

Abaixo uma tabela das deliberações da Conferência:

Aumento real

Manter a estratégia de conquista de aumento real dos últimos quatro anos, reivindicando 13,23% de reajuste (inflação mais 5% de aumento real).

PCS para todos

Plano de Cargos e Salários para todos os bancários de todos os bancos, prevendo 1% de reajuste a cada ano de trabalho. A cada cinco anos, esse reajuste será de 2%. O banco é obrigado a promover o bancário pelo menos um nível a cada cinco anos.Os bancos são obrigados a treinar o trabalhador para a nova função por no mínimo 60 dias, pagando o novo salário durante o período de treinamento. E quando houver uma nova vaga, o banco é obrigado a fazer um processo de seleção interna para preenchê-la. Para cada cargo e função o banco deve apresentar a grade curricular necessária e oferecer o curso aos trabalhadores dentro do expediente. Em caso de descomissionamento do bancário, a comissão será incorporada ao salário integralmente.

Fim das metas abusivas

As metas serão definidas pela agência/departamento com a participação de todos os trabalhadores, levando em consideração também a abordagem ao cliente e o tempo para sua execução.As metas serão obrigatoriamente coletivas.A constituição das metas deverá levar em consideração a região, o porte da agência, o número de funcionários, a base de clientes e o perfil econômico local.As metas serão regressivas proporcionalmente ao seu cumprimento.As metas estabelecidas coletivamente serão adequadas no caso de afastamento, licença, ausência, férias de funcionários, etc.
As metas não serão aplicadas aos caixas.Ficam proibidas quaisquer tipos de comparação dos resultados obtidos, elaboração de rankings ou classificação por desempenho individual, da agência ou por região.

Pisos salariais

Aumento progressivo, em três anos, até atingir o piso do Dieese, atualmente estimado em R$ 2.074, sendo incorporado 50% da diferença entre o piso da categoria (R$ 921,49) e o piso do Dieese neste ano, 25% em 2009 e outros 25% em 2010. Desta forma, neste ano, o piso da categoria passaria a valer R$ 1.497,75 para escriturários, R$ 1.947,07 para caixas e tesoureiros, R$ 2.321,50 para primeiro comissionado, e R$ 3.369,93 para gerente

Contratação da remuneração total

Distribuição de 5% da receita de prestação de serviços de forma igualitária entre todos os bancários. O pagamento deverá ser feito após a publicação do balanço trimestral. Além disso, 10% de toda a produção da agência deve ser distribuída entre os trabalhadores da unidade.

Aumento da PLR

Os objetivos são elevar o valor da PLR e simplificar os critérios de distribuição: três salários mais R$ 3.500 para todos, sem limitador e sem teto.

Vale-refeição

Aumentar o valor para R$ 17,00, de forma a compensar a inflação dos alimentos dos últimos 12 meses.

Cesta-alimentação

R$ 415,00, o mesmo valor do salário mínimo. Além disso, os bancários reivindicarão a 13ª cesta-alimentação conquistada no ano passado.

Auxílio-Creche

Deve ter o mesmo valor do salário-mínimo (R$ 415), com ampliação da idade para 8 anos e 11 meses e comprovação anual dos gastos.

Novas conquistas

Auxílio-educação e a criação de um plano de previdência complementar fechado, com gestão compartilhada

Emprego

Ratificação da convenção 158; defesa do emprego; cumprimento da jornada de 6 horas; contratação de mais funcionários, estabelecendo efetivo mínimo para o atendimento aos clientes

Segurança

Instalação de portas de segurança em todas as agências bancárias, já no auto-atendimento; pagamento de adicional de risco de vida no valor de 40% do salário para funcionários de agências e PABs

Eixos políticos

Defesa dos bancos públicos.
Ampliação do crédito produtivo para investimentos, principalmente agrícola.
Redução da taxa de juros.
Regulamentação do artigo 192 da Constituição Federal (que estabelece o papel do sistema financeiro no país).

Nos dias 28 e 29 serão realizados os congressos nacionais dos bancos, para discutir e aprovar as reivindicações específicas de cada empresa, que serão negociadas simultaneamente com a Campanha Nacional dos Bancários. Entre outras coisas discutiremos o PCCS - Plano de Carreira, Cargo e Salários, assim como a isonomia.Estamos nos preparando para discutir com o Banqueiro em setembro...

Fonte: Lista de discussão MSBancarios

27 de jul de 2008

Bancários definem estratégia e pauta de reivindicações da campanha salarial

Rede de Comunicação dos BancáriosJosé Luiz Frare/Contraf-CUT e Elisângela Cordeiro/Seeb São Paulo

A 10ª Conferência Nacional dos Bancários foi encerrada neste domingo 27 com a aprovação da estratégia da campanha e da pauta de reivindicações da campanha salarial de 2008, que tem como eixos aumento real de salário, elevação e simplificação da PLR, fim do assédio moral e das metas abusivas, valorização dos pisos, PCS para todos, mais segurança nas agências e criação de planos de previdência complementar para toda a categoria. Nestas segunda e terça-feiras, serão realizados os congressos nacionais dos bancos, para discutir e aprovar as reivindicações específicas de cada empresa, que serão negociadas simultaneamente com a Campanha Nacional dos Bancários."Depois de três dias de intensas discussões, com a participação de 830 delegados de todo o país, conseguimos construir uma proposta de unidade que contempla os anseios de toda a categoria", diz Vagner Freitas, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT). "Demos um passo importante para a construção de uma campanha vitoriosa." As principais reivindicações aprovadas pelos 830 delegados presentes à 10ª Conferência Nacional são as seguintes:Aumento realManter a estratégia de conquista de aumento real dos últimos quatro anos, reivindicando 13,23% de reajuste (inflação mais 5% de aumento real).PCS para todosPlano de Cargos e Salários para todos os bancários de todos os bancos, prevendo 1% de reajuste a cada ano de trabalho. A cada cinco anos, esse reajuste será de 2%. O banco é obrigado a promover o bancário pelo menos um nível a cada cinco anos. Os bancos são obrigados a treinar o trabalhador para a nova função por no mínimo 60 dias, pagando o novo salário durante o período de treinamento. E quando houver uma nova vaga, o banco é obrigado a fazer um processo de seleção interna para preenchê-la. Para cada cargo e função o banco deve apresentar a grade curricular necessária e oferecer o curso aos trabalhadores dentro do expediente. Em caso de descomissionamento do bancário, a comissão será incorporada ao salário integralmente.Fim das metas abusivasAs metas serão definidas pela agência/departamento com a participação de todos os trabalhadores, levando em consideração também a abordagem ao cliente e o tempo para sua execução.As metas serão obrigatoriamente coletivas.A constituição das metas deverá levar em consideração a região, o porte da agência, o número de funcionários, a base de clientes e o perfil econômico local.As metas serão regressivas proporcionalmente ao seu cumprimento.As metas estabelecidas coletivamente serão adequadas no caso de afastamento, licença, ausência, férias de funcionários, etc.As metas não serão aplicadas aos caixas.Ficam proibidas quaisquer tipos de comparação dos resultados obtidos, elaboração de rankings ou classificação por desempenho individual, da agência ou por região.Pisos salariaisAumento progressivo, em três anos, até atingir o piso do Dieese, atualmente estimado em R$ 2.074, sendo incorporado 50% da diferença entre o piso da categoria (R$ 921,49) e o piso do Dieese neste ano, 25% em 2009 e outros 25% em 2010. Desta forma, neste ano, o piso da categoria passaria a valer R$ 1.497,75 para escriturários, R$ 1.947,07 para caixas e tesoureiros, R$ 2.321,50 para primeiro comissionado, e R$ 3.369,93 para gerenteContratação da remuneração totalDistribuição de 5% da receita de prestação de serviços de forma igualitária entre todos os bancários. O pagamento deverá ser feito após a publicação do balanço trimestral. Além disso, 10% de toda a produção da agência deve ser distribuída entre os trabalhadores da unidade.Aumento da PLR Os objetivos são elevar o valor da PLR e simplificar os critérios de distribuição: três salários mais R$ 3.500 para todos, sem limitador e sem teto.Vale-refeiçãoAumentar o valor para R$ 17,00, de forma a compensar a inflação dos alimentos dos últimos 12 meses.Cesta-alimentaçãoR$ 415,00, o mesmo valor do salário mínimo. Além disso, os bancários reivindicarão a 13ª cesta-alimentação conquistada no ano passado.Auxílio-CrecheDeve ter o mesmo valor do salário-mínimo (R$ 415), com ampliação da idade para 8 anos e 11 meses e comprovação anual dos gastos.Novas conquistasAuxílio-educação e a criação de um plano de previdência complementar fechado, com gestão compartilhadaEmpregoRatificação da convenção 158; defesa do emprego; cumprimento da jornada de 6 horas; contratação de mais funcionários, estabelecendo efetivo mínimo para o atendimento aos clientesSegurançaInstalação de portas de segurança em todas as agências bancárias, já no auto-atendimento; pagamento de adicional de risco de vida no valor de 40% do salário para funcionários de agências e PABsEixos políticos Defesa dos bancos públicos. Ampliação do crédito produtivo para investimentos, principalmente agrícola.  Redução da taxa de juros. Regulamentação do artigo 192 da Constituição Federal (que estabelece o papel do sistema financeiro no país).

Fonte: Contraf

24 de jul de 2008

Conferência Nacional dos Bancários - SP/SP

Caros companheir@s,

Está começando a Conferência Nacional. Não vou falar da campanha como um todo porque já temos um norte para as reinvidicações deste ano. No BB vejo um clima de apatia e, ao mesmo tempo de revolta, por conta da segunda etapa USO/CSO (para quem não sabe é o fim do suporte administrativo nas agências) que irá inibir de forma significativa a mobilização no banco. O que está pegando mesmo é a LATERALIDADE, nome politicamente correto para roubo de direitos. O grande desafio será mobilizar gerentes e assistentes para a campanha. Enfim desejo a tod@s companheir@s um bom debate e que possamos sair de SP com alguns encaminhamentos que reflitam a nossa realidade. A partir da Conferência teremos o start da campanha salarial dos bancários 2008.

Gerson Vieira
Delegado Sindical BB - Agência Botafogo - RJ

22 de jul de 2008

Próximas matérias

A Quarta Frota Americana

O Petróleo é nosso

Crônica

19 de jul de 2008

Portishead


Tive a oportunidade de conhecer as músicas desta banda com a Luciana. Era diferente de tudo que havia escutado. Dias atrás encontrei o novo cd da banda chamado Third. São canções estranhas, densas, sombrias, digamos anticlimáticas. Não é para dançar, para tocar no rádio, nem para usar como fundo para os pegas. Por isso talvez seja tão diferente de tudo que se faz agora. A banda surgiu em Bristol, Inglaterra, em 1991, inventando o que se convencionou chamar de trip hop. É um bom cd para escutar e curtir a ressurreição dessa banda tão criativa e atual quanto na década de 90.

Dercy Gonçalves morre aos 101 anos


Atriz e comediante deu entrada no hospital com sintomas de pneumonia

Morreu na tarde deste sábado, no Rio de Janeiro, a atriz e comediante Dercy Gonçalves, de 101 anos. Ela estava internada no Hospital São Lucas, em Copacabana. O hospital confirmou a morte dela no final da tarde. Segundo informações do site G1, Dercy foi internada na madrugada deste sábado com um quadro de pneumonia comunitária grave, que evoluiu para uma sepse pulmonar e insuficiência respiratória. O Estado do Rio de Janeiro decretou luto oficial de três dias. Trajetória começou cedoAos 17 anos, Dercy desafiou padrões da época ao fugir de casa com uma companhia de teatro. Trocou seu nome de batismo, Dolores Costa Bastos, para tornar-se Dercy Gonçalves, uma atriz da época do teatro rebolado e das chanchadas. Dercy também passou pela televisão e foi uma das primeiras contratadas da Rede Globo, onde estrelou os dois primeiros programas de sucesso da emissora no horário nobre. Em 1989, fez o papel da mãe da rainha na novela "Que Rei Sou Eu?". Em 1991, aos 84 anos, sofreu um acidente de carro e quebrou a bacia. Ainda se recuperando, foi para a Marquês de Sapucaí com os seios à mostra, homenageada no enredo da Unidos da Viradouro — em 2004, voltou a ser destaque, dessa vez em um carro da Salgueiro. Também em 1991, passou por uma cirurgia por conta de uma úlcera e de um tumor. Em 1992, participou da novela "Deus nos acuda", fazendo o papel de um anjo da guarda nada convencional. A atriz, que ameaçou posar nua aos 90 anos, não gostava de água, nem a do mar. Ela mandou construir seu túmulo — com formato de pirâmide — no cemitério em que seu pai foi coveiro, em Santa Maria Madalena, sua cidade natal. Lá também fica o museu Dercy Gonçalves, com diversos objetos pessoais da atriz.

Fonte: Jornal Zero Hora, Porto Alegre, RS

Foto: Dulce Helfer, 14/10/2004

14 de jul de 2008

Frei Betto



Sem título
Por Frei Betto

Ao viajar pelo Oriente, mantive contatos com
monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos em paz em seus mantos cor de açafrão.
Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do
que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir: "Qual dos
dois modelos produz felicidade?"Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei: "Não foi à aula?" Ela respondeu: "Não, tenho aula à tarde".
Comemorei: "Que bom, então de manhã você pode brincar, dormir até mais tarde". "Não", retrucou ela, "tenho tanta coisa de manhã..."
"Que tanta coisa?", perguntei. "Aulas de inglês, de balé, de pintura, piscina", e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando: "Que pena, a Daniela não disse: "Tenho aula de meditação!"Estamos construindo super-homens e supermulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados. Por isso as empresas consideram agora que, mais importante que o QI, é a IE, a InteligênciaEmocional. Não adianta ser um superexecutivo se não se consegue se relacionar com as pessoas. Ora, como seria importante os currículos escolares incluírem aulas
de meditação!Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias!
Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: "Como estava o defunto?". "Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!" Mas como fica a questão da subjetividade?
Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?Outrora, falava-se em realidade: análise da realidade, inserir- se na realidade, conhecer a realidade. Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual. Pode-se fazer sexo virtual pela internet: não se pega aids, não há envolvimento emocional, controla- se no mouse. Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizi­nho de prédio ou de quadra! Tudo é virtual, entramos na virtualidade de todos os valores, não há compromisso com o real! Émuito grave esse processo de abstração da linguagem, de sentimentos: somos místicos
virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. Enquanto isso, a realidade vai por outro lado, pois somos também eticamente virtuais.A cultura começa onde a natureza termina. Cultura é o refinamento do espírito.
Televisão, no Brasil - com raras e honrosas exceções -, é um problema: a cada semana que passa, temos a sensação de que ficamos um pouco menos cultos. A palavra hoje é 'entretenimento';
domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela. Como a
publicidade não consegue vender felicidade,passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: "Se tomar este refrigerante, vestir este tênis,­ usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!" O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba­ precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.Os psicanalistas tentam descobrir o que fazer com o desejo dos seus pacientes. Colocá-los onde? Eu, que não sou da área, posso me dar o direito de apresentar uma su­gestão. Acho que
só há uma saída: virar o desejo para dentro. Porque, para fora, ele não tem aonde ir!O grande desafio é virar o desejo para dentro, gostar de si mesmo, começar a ver o quanto é bom
ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor. Aliás, para uma boa saúde mental três requisitos são indispensáveis: amizades, auto-estima, ausência de estresse.Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Se alguém vai à Europa e visita uma pequena cidade onde há uma catedral, deve procurar saber a
história daquela cidade - a catedral é o sinal de que ela tem história. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shopping centers tem linhas arquitetônicas de catedrais
estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa
de domingos. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas...Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista.
Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista, sente-se no reino
dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno...
Felizmente,terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo s uco e o mesmo hambúrguer do McDonald's.Costumo advertir os balconistas
que me cercam à porta das lojas: "Estou apenas fazendo um passeio socrático." Diante de seus olhares espantados, explico: "Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas.
Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia: "Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz.
_____
Frei Betto é escritor, entre muitos livros, é autor em
parceria com Luis Fernando Veríssimo e outros de "O
desafio ético" (Garamond).

Colaboração: Adroaldo Bauer, de Porto Alegre-RS

13 de jul de 2008

Vou errando enquanto a vida me deixar...


Nunca cometo o mesmo erro
duas vezes
já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez

Paulo Leminski

ILHA DE PAQUETÁ, RJ, BRASIL

Ilha de Paquetá, Rio de Janeiro, Brasil.

Falar desta ilha é uma viagem, literalmente. Você viaja 34 km, ida e volta, todo o dia. São duas horas de pura meditação enquanto a barca rasga o mar numa velocidade excepcional de 17 km por hora! São momentos para recuperar o sono perdido, ler, conversar e dormir de novo!Na ilha você nunca será atropelado por... carros! Apenas por bicicletas e cavalos.Existem locais aqui maravilhosos, o mirante do parque Darke, a Pedra da Moreninha. É uma caminhada e tanto para cobrir os 7 km da ilha. À noite eu localizei as Três Marias e o Cruzeiro do Sul no céu, diferentes do que eu via lá no sul...Enquanto todos vão para a balada, eu descubro no silêncio deste imenso bucolismo, o momento certo para a reflexão. Napoleão sentiria inveja de mim, isso aqui é melhor que Santa Helena.

9 de jul de 2008

DESNACIONALIZAÇÃO - INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS CRESCEM NO SETOR AGRÍCOLA


DESNACIONALIZAÇÃO

Investimentos estrangeiros crescem no setor agrícola
Até o ano 2000, o setor primário da economia brasileira participava com pouco mais de 2% do total de investimentos estrangeiros. Em 2007, esse índice chegou a 14%, totalizando investimentos na ordem de US$ 12 milhões (um crescimento da ordem de 500%). Setor energético também é alvo de interesse do grande capital internacional.
Redação - Carta Maior
Os investimentos estrangeiros em atividades agrícolas, de extração mineral e petróleo estão crescendo em um ritmo maior que nos ramos da indústria e serviços, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Até o ano 2000, o setor primário da economia brasileira participava com pouco mais de 2% desse total de recursos. Em 2007, esse índice chegou a 14%, totalizando investimentos na ordem de US$ 12 milhões (um crescimento da ordem de 500%). Segundo o estudo do Ipea, esse aumento está relacionado à expansão dos mercados de biocombustíveis, de alimentos e outros insumos, processo este vitaminado pela alta de preços desses produtos. O grupo inglês Clean Energy Brazil, por exemplo, desembolsou em um ano U$ 200 milhões no setor canavieiro, adquirindo o controle pleno de três usinas de etanol e açúcar.O economista do Instituto de Estudos Socioeconômicos, Evilásio Salvador, adverte sobre as conseqüências deste processo. “Estrategicamente, isso pode trazer uma maior dependência desses capitais externos em setores vitais como a produção de alimentos, essencial em termos de abastecimento e segurança alimentar da população. Para não falar do fato de que a chegada dos investimentos estrangeiros têm uma contrapartida que é a remessa desses lucros para o exterior, fato que pode trazer implicações para o saldo da balança comercial”. O economista adverte ainda que em razão da valorização do real frente ao dólar esses investidores têm uma dupla possibilidade de lucro. Ganham com o câmbio e ganham com os lucros das empresas onde foi investido dinheiro. Além disso, quando o lucro é remetido ao exterior, não pagam imposto por ele.Leilões de energiaO setor de produção de energia também tem sido muito procurado pelo capital internacional. A empresa espanhola Isolux Ingeniería, por exemplo, adquiriu um dos lotes mais disputados da seção de linhas de transmissão, no leilão realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), dia 27 de junho. Os espanhóis ofereceram mais de US$ 46 milhões pelas linhas de transmissão Tucuruí-Xingu e Xingu-Juruparí, além das subestações de Xingu e Jurupari.O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) criticou o negócio. Para o coordenador nacional do MAB, José Josivaldo Oliveira, a geração de energia, um setor estratégico para o país, está sendo entregue ao capital estrangeiro. Segundo ele, “é cada dia mais evidente a desnacionalização das riquezas brasileiras”. “Primeiro se entrega o rio, a geração de energia e sua produção. Depois se entrega a transmissão e a distribuição. Estamos correndo na contramão do objetivo da soberania nacional energética”, criticou. No leilão do dia 27, a empresa espanhola derrotou o consórcio formado pelas Centrais Elétricas do Norte (Eletronorte), pela Companhia Hidroelétrica do Rio São Francisco (Chesf), pela espanhola Abengoa e pelo fundo de investimentos em participações Brasil Energia.Até o final de setembro, deverá ir a leilão o conjunto de linhas de transmissão ligando o complexo das usinas que serão construídas no rio Madeira (Rondônia) ao município de Araraquara (SP). O governo já publicou no Diário Oficial da União uma resolução do Conselho Nacional de Desestatização (CND) que propõe a inclusão dessas linhas no Programa Nacional de Desestatização.
Fonte: Agência Carta Maior - http://www.cartamaior.com.br
* Com informações da Radioagência Notícias do Planalto e IPEA.

5 de jul de 2008

CURSO DE PRODUTOR CULTURAL COMUNITÁRIO

Vagas para curso de produtor cultural comunitário

Estão abertas as vagas para o primeiro grupo do curso Produtor Cultural na Comunidade, para Porto Alegre e grande POA. São 20 vagas para jovens de 16 a 26 anos, estudantes ou não, trabalhadores formais ou não, de comunidades periféricas, que estejam participando de um grupo organizado ou
que desenvolvam algum atividade cultural nas áreas de dança, muúsica, artes plásticas ou conhecimento. As vagas deverão ser preenchidas com pelo menos 30% de mulheres.
A proposta objetiva formar e capacitar jovens para atuarem na cadeia produtiva da cultura como produtores, agentes e ou ativistas culturais, colocando como premissa da ação o bem coletivo.
O Instituto Tri, que promove o curso, tem atuado com formação de platéias, divulgação e promoção de artistas das periferias de Porto Alegre (RS), apoiando, planejando e acompanhando suas carreiras. Também vem observando que jovens cada vez mais investem na cultura como relação de trabalho e o objeto de trabalho via projetos de oficinas, encontros, festivais, coletâneas de música, organização de bibliotecas, campeonatos.
A produção cultural e artística tem sido um caminho para um emprego.
“Nas edições do encontro Trocando Idéia, vimos que as capacidades foram se apresentando, jovens a cada ano solicitavam um degrau mais acima nas atividades de formação. Nosso papel será de formação nesta área e podemos exercer um papel importante ao investir na formação de agentes que implementem uma política cultural articulada”, dizem os realizadores.
”Estaremos recebendo inscrições para uma primeira reunião do grupo, onde os interessados apresentarão seu histórico de atividades.”
O início do curso propriamente dito está marcado para o dia 13 de julho, domingo. Sua duração será de três meses, com carga horária de 76 horas. Os encontros serão semanais. Passagens dentro de Porto Alegre e o material necessário para a participação serão subsidiados.

Para mais informações, contatar:
institutotri@riseup.net
www.myspace.com/trocandodeia
Apoio: FLD Realização : Instituto Tri

9.º CONCURSO DE LITERATURA DA FUNDAÇÃO CULTURAL DE CANOAS - RS

REGULAMENTO DO 9º CONCURSO DE LITERATURA DA FUNDAÇÃO CULTURAL DE CANOAS

A Fundação Cultural de Canoas (RS) promove o 9º Concurso de Literatura - Conto, Crônica e Poesia, com entrega dos trabalhos até 31 de julho de 2008, SEM TAXA DE INSCRIÇÃO. O primeiro lugar de cada gênero receberá 100 exemplares da coletânea a ser editada, o segundo 50 exemplares, o terceiro 30 exemplares, e as menções honrosas 5 exemplares. Todos os participantes receberão certificado de participação. O regulamento e a ficha de inscrição estão no site http://www.fundacan.com.br/ ou pelo fone/fax (51) 3059.6938. Os trabalhos premiados estarão integrados à coletânea SEM NENHUM ÔNUS.

Gratos pela divulgação!
Clara Forell
Assessora Cultural da FCC

1. REGULAMENTO

1.1 - Poderão inscrever-se autores do Brasil e de qualquer nacionalidade, desde que enviem o texto em português (Brasil) nos gêneros conto, crônica e poesia.
1.2 - A Fundação Cultural de Canoas receberá inscrições ao Concurso até o dia 31 (trinta e um) de julho de 2008, em sua sede, localizada na Av. Victor Barreto, 2301, Canoas/RS- Brasil, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, ou através de correio postal.
1.3 - Cada candidato poderá concorrer com até 2 (dois) trabalhos de cada gênero, não sendo permitidos trabalhos já publicados (inclusive na internet) ou premiados, nem serão aceitos plágios de outros trabalhos. O responsável por plágio será desclassificado e, se premiado, obrigado a devolver o prêmio que tiver recebido.
1.4 - Os trabalhos, em três vias, papel formato A4 (297 x 210) com título, páginas numeradas, rubricadas e sob pseudônimo, em fonte Times New Romam, corpo 12, espaço interlinear 1,5. Os trabalhos deverão ser enviados em envelope fechado.
1.5 - Um CD com o respectivo arquivo gravado em formato .doc (Word) deve acompanhar os trabalhos. (Todos no mesmo CD).
1.6 -Um envelope anexo, opaco e rigorosamente fechado, conterá externamente, o pseudônimo do concorrente e o título do trabalho; internamente, a ficha de inscrição com o nome completo e verdadeiro, o número da Carteira de Identidade, CPF, endereço, local e data de nascimento do autor, juntamente com um breve currículo. Na ficha de inscrição deverá constar a assinatura do concorrente autorizando a Fundação Cultural de Canoas a publicar coletânea com o(s) trabalho(s) do autor, caso seja premiado.
1.7- Para os trabalhos enviados pelo correio considerar-se-á, para efeito de atendimento ao prazo de encerramento das inscrições, a data da postagem. A Fundação não se responsabilizará por extravio ou danos por acondicionamento inadequado ou incorreto de qualquer original.
1.8 - Os originais não serão devolvidos.
1.9 - No caso de usar o correio postal, enderece para Fundação Cultural de Canoas, Av. Víctor Barreto, no 2001, CEP 92010-000, Canoas, RS, Brasil.

2. SELEÇÃO E PREMIAÇÃO
2.1 - Os trabalhos serão avaliados até 2 (dois) de setembro de 2008, por uma comissão formada por 3 (três) escritores ou estudiosos de cada um dos gêneros literários, indicados pela Fundação Cultural de Canoas.
2.2 - A comissão terá liberdade de julgamento, sob os aspectos técnicos e estéticos dos trabalhos, sendo-lhe facultado negar a concessão de prêmios, desde que não encontre, nos trabalhos inscritos, méritos suficientes para a premiação.
2.3 - A premiação consistirá no seguinte: O primeiro colocado de cada gênero receberá 100 (cem) exemplares da coletânea que será editada com os trabalhos premiados; o segundo, 50 (cinqüenta); o terceiro 30 (trinta) e as três menções honrosas de cada categoria, 5 (cinco) exemplares. Todos os participantes receberão certificado de participação.
2.4 -Independente da premiação geral do Concurso, serão concedidos mais três prêmios: 10 (dez) exemplares da coletânea para cada autor canoense que apresentar o melhor trabalho em conto, crônica e poesia.2.5 - O resultado geral será divulgado pela imprensa, pelo http://www.fundacan.com.br/ na página destaques. Os premiados serão cientificados através de correspondência, e os prêmios serão entregues até janeiro de 2009.
2.6 -Não poderão concorrer pessoas que exerçam cargos ou funções na Fundação Cultural de Canoas.
2.7 -A entrega dos originais ou sua remessa juntamente com a ficha de inscrição, implicará na aceitação, por parte do concorrente, de todas as normas do presente Regulamento.Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora.

4 de jul de 2008

Simplesmente: Florbela Espanca




"Quem me dera encontrar o verso puro,

O verso altivo e forte, estranho e duro,

Que dissesse a chorar isto que sinto!"




Eu tenho pena da Lua!

Tanta pena, coitadinha,

Quando tão branca, na rua

A vejo chorar sozinha!…


As rosas nas alamedas,

E os lilases cor da neve

Confidenciam de leve

E lembram arfar de sedas
Só a triste, coitadinha…

Tão triste na minha rua

Lá anda a chorar sozinha …
Eu chego então à janela:

E fico a olhar para a lua…

E fico a chorar com ela! …

Trocando olhares - 23/04/1917


Biografia


Mesmo antes de seu nascimento, a vida de Florbela Espanca já estava marcada pelo inesperado, pelo dramático, pelo incomum.
Seu pai, João Maria Espanca era casado com Maria Toscano. Como a mesma não pôde dar filhos ao marido, João Maria se valeu de uma antiga regra medieval, que diz que quando de um casamento não houver filhos, o marido tem o direito de ter os mesmos com outra mulher de sua escolha. Assim, no dia 8 de dezembro de 1894 nasce Flor Bela Lobo, filha de Antónia da Conceição Lobo. João Maria ainda teve mais um filho com Antónia, Apeles. Mais tarde, Antónia abandona João Maria e os filhos passam a conviver com o pai e sua esposa, que os adotam.
Florbela entra para o curso primário em 1899, passando a assinar Flor d’Alma da Conceição Espanca. O pai de Florbela foi em 1900 um dos introdutores do cinematógrafo em Portugal. A mesma paixão pela fotografia o levará a abrir um estúdio em Évora, despertando na filha a mesma paixão e tomando-a como modelo favorita, razão pela qual a iconografia de Florbela, principalmente feita pelo pai, é bastante extensa.
Em 1903, aos sete anos, faz seu primeiro poema, A Vida e a Morte. Desde o início é muito clara sua precocidade e preferência a temas mais escusos e melancólicos.
Em 1908 Antônia Conceição, mãe de Florbela, falece. Florbela então ingressa no Liceu de Évora, onde permanece até 1912, fazendo com que a família se desloque para essa cidade. Foi uma das primeiras mulheres a ingressar no curso secundário, fato que não era visto com bons olhos pela sociedade e pelos professores do Liceu. No ano seguinte casa-se no dia de seus 19 anos com Alberto Moutinho, colega de estudos.
O casal mora em Redondo até 1915, quando regressa à Évora devido a dificuldades financeiras. Eles passam a morar na casa de João Maria Espanca. Sob o olhar complacente de Florbela ele convive abertamente com uma empregada, divorciando-se da esposa em 1921 para casar-se com Henriqueta de Almeida, a então empregada.
Voltando a Redondo em 1916, Florbela reúne uma seleção de sua produção poética de 1915 e inaugura o projeto Trocando Olhares, coletânea de 88 poemas e três contos. O caderno que deu origem ao projeto encontra-se na Biblioteca Nacional de Lisboa, contendo uma profusão de poemas, rabiscos e anotações que seriam mais tarde ponto de partida para duas antologias, onde os poemas já devidamente esclarecidos e emendados comporão o Livro de Mágoas e o Livro de Soror Saudade.
Regressando a Évora em 1917 a poetisa completa o 11º ano do Curso Complementar de Letras, e logo após ingressa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Após um aborto involuntário, se muda para Quelfes, onde apresenta os primeiros sinais sérios de neurose. Seu casamento se desfaz pouco depois.
Em junho de 1919 sai o Livro de Mágoas, que apesar da poetisa não ser tão famosa faz bastante sucesso, esgotando-se rapidamente. No mesmo ano passa a viver com Antônio Guimarães, casando-se com ele em 1921. Logo depois Florbela passa a trabalhar em um novo projeto que a princípio se chamaria Livro do Nosso Amor ou Claustro de Quimeras. Por fim, torna-se o Livro de Soror Saudade, publicado em janeiro de 1923.
Após mais um aborto separa-se pela segunda vez, o que faz com que sua família deixe de falar com ela. Essa situação a abalou muito. O ex-marido abriu mais tarde em Lisboa uma agência, “Recortes”, que enviava para os respectivos autores qualquer nota ou artigo sobre ele. O espólio pessoal de Antônio Guimarães reúne o mais abundante material que foi publicado sobre Florbela, desde 1945 até 1981, ano do falecimento do ex-marido. Ao todo são 133 recortes.
Em 1925 Florbela casa-se com Mário Lage no civil e no religioso e passa a morar com ele, inicialmente em Esmoriz e depois na casa dos pais de Lage em Matosinhos, no Porto.
Passa a colaborar no D. Nuno em Vila Viçosa, no ano de 1927, com os poemas que comporão o Charneca em Flor. Em carta ao diretor do D. Nuno fala da conclusão de Charneca em Flor, e fala também da preparação de um livro de contos, provavelmente O Dominó Preto.
No mesmo ano Apeles, irmão de Florbela, falece em um trágico acidente, fato esse que abalou demais a poetisa. Ela aferra-se à produção de As Máscaras do Destino, dedicando ao irmão. Mas então Florbela nunca mais será a mesma, sua doença se agrava bastante após o ocorrido.
Começa a escrever seu Diário de Último Ano em 1930. Passa a colaborar nas revistas Portugal Feminino e Civilização, trava também conhecimento com Guido Batelli, que se oferece para publicar Charneca em Flor. Florbela então revê em Matosinhos as provas do livro, depois de tentar o suicídio, período em que a neurose se agrava e é diagnosticado um edema pulmonar.
Em dois de dezembro de 1930, Florbela encerra seu Diário do Último Ano com a seguinte frase: “… e não haver gestos novos nem palavras novas.” Às duas horas do dia 8 de dezembro – no dia do seu aniversário Florbela D’Alma da Conceição Espanca suicida-se em Matosinhos, ingerindo dois frascos de Veronal. Algumas décadas depois seus restos mortais são transportados para Vila Viçosa, “… a terra alentejana a que entranhadamente quero”.

FONTES:
http://www.instituto-camoes.pt/cvc/projtelecolab/tintalusa/numerodois/tl3.html
http://purl.pt/272/2/index.html
http://www.torre.xrs.net/
Coleção “A Obra Prima de Cada Autor” – Editora Martin Claret
Foto: Google Imagens