27 de fev de 2011

Literatura brasileira perde um mestre


Aos 73 anos, o porto-alegrense Moacyr Jaime Scliar havia construído uma obra sólida, com mais de um livro publicado para cada ano de vida, em uma ampla gama de gêneros: contos, romances, literatura infanto-juvenil, ensaios. Além disso, era colunista frequente de uma dezena de publicações, de jornais diários como Zero Hora e Folha de S. Paulo a revistas técnicas. Escrevia em qualquer lugar a qualquer hora, auxiliado pela tecnologia – jamais viajava sem seu laptop. Tal dedicação à palavra e ao ofício que exercia com evidente prazer transformaram Scliar em um dos autores mais respeitados do Brasil.

Scliar morreu no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, onde estava internado desde 11 de janeiro. O escritor havia sido admitido no hospital para a retirada de pólipos (formações benignas) no intestino. A cirurgia, simples, havia transcorrido sem complicações. Scliar já se recuperava quando sofreu um AVC – obstrução de uma artéria que irriga o cérebro – de extrema gravidade.

Scliar nasceu em 1937, no bairro judaico do Bom Fim, em Porto Alegre, filho de José e Sara Scliar – a mãe, professora primária, seria a grande responsável pela paixão do escritor pelas letras: foi ela quem o alfabetizou. Formado médico sanitarista pela UFRGS, ingressou na profissão em 1962. Casado com Judith, professora, e pai do fotógrafo Roberto, Scliar havia também passado pela experiência de professor visitante em universidades estrangeiras e tinha obras traduzidas em uma dezena de idiomas, entre elas o russo e o hebraico. O trabalho como médico de saúde pública seria crucial na vida e na obra de Scliar – seu primeiro livro, publicado em 1962, foi uma coletânea de contos inspirados pela prática médica, Histórias de Médico em Formação, volume que mais tarde Scliar excluiria de sua bibliografia oficial por considerá-lo a obra prematura de um autor que ainda não estava pronto.

Nos seus livros seguintes, Scliar jamais se permitiria outra publicação prematura. Do mesmo modo como escrevia com velocidade e prazer, Scliar também revisava obsessivamente o próprio texto, a ponto de às vezes reescrever uma obra do zero por ter encontrado um ponto de vista narrativo mais adequado.

— Se o escritor não tiver prazer escrevendo, o leitor também não terá — comentou em uma entrevista concedida quando completou 70 anos, em 2007.


Fonte: Clic RBS

NOTA DO BLOGUEIRO:

Eu cruzei três vezes na minha vida com o escritor Moacyr Scliar. Em 1976, quando ele palestrou num evento de escolas, em Porto Alegre. Em 1985, Na Ulbra, em Canoas, quando participou de uma palestra patrocinada pela universidade. Na época autografou para mim o livro Ciclo das Águas que infelizmente perdeu-se nas mudanças que fiz. Mas fui conhecer mesmo um pouco do escritor Scliar, no ano passado. Ele participou do Café Literário, da Bienal do Livro, aqui em Curitiba, no dia 1º de outubro. Falou sobre o tema “A Construção do leitor: o poder da sedução da literatura", Scliar comentou que a família tem um papel importante na formação do leitor, e que isso não é só uma questão de genoma. “A maneira como a gente vive a infância é determinante para a nossa formação como leitores. Hoje não viajo sem um livro, posso viajar sem a escova de dentes”, brincou e ressaltou: “levo a escova também porque sou médico sanitarista”. Foi um encontro inesquecível, depois participamos da sessão de autógrafos do seu livro "Eu vos abraço Milhões". Eu e minha esposa tivemos a oportunidade de conversar um pouco com ele, sempre muito simpático permitiu que registrássemos o momento com uma foto que será guardada com carinho em nosso álbum.

Shalom, Scliar!



Um comentário:

Turma PET Perus 2011 disse...

http://www.petperus.blogspot.com/

DIVUGA MEU BLOG