23 de mai de 2008

Rumo à barbárie


Amig@s,

Não consigo ser otimista ao olhar para o futuro. Quando penso, enxergo um planeta devastado pela louca procura por água, alimento e riquezas (?). Na era da globalização, não existe mais limite para nada. Vivemos o tempo da sociedade do consumo, do individualismo, do salve-se quem puder...
Neste contexto, cai bem assistir o cult de Ridley Scott, Blade Runner (1982) que mostra uma visão pessimista de Los Angeles, por volta de 2019 e escutar Homem Primata, dos Titãs para complementar. Penso que os governantes do planeta continuarão a empurrar com a barriga as soluções para salvar a nossa casa. O lucro está em primeiro lugar, depois vem o resto... então seguimos, meio que inconscientes, rumo à barbárie. Meu filho, me desculpe pela minha impossibilidade de te oferecer um mundo melhor, espero que tenhas melhor sorte.


Homem Primata

Titãs

Desde os primórdios
Até hoje em dia
O homem ainda faz
O que o macaco fazia
Eu não trabalhava
Eu não sabia
Que o homem criava
E também destruía...

Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...(2x)

Eu aprendi
A vida é um jogo
Cada um por si
E Deus contra todos
Você vai morrer
E não vai pr'o céu
É bom aprender
A vida é cruel...

Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...(2x)

Eu me perdi
Na selva de pedra
Eu me perdi
Eu me perdi...

"I'm a cave man
A young man
I fight with my hands
(With my hands)
I am a jungle man
A monkey man
Concrete jungle!
Concrete jungle!"

Desde os primórdios
Até hoje em dia
O homem ainda faz
O que o macaco fazia
Eu não trabalhava
Eu não sabia
Que o homem criava
E também destruía...

Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...(2x)

Eu aprendi
A vida é um jogo
Cada um por si
E Deus contra todos
Você vai morrer
E não vai pr'o céu
É bom aprender
A vida é cruel...

Homem Primata
Capitalismo Selvagem
Oh! Oh! Oh!...(2x)

Eu me perdi
Na selva de pedra
Eu me perdi
Eu me perdi
Eu me perdi
Eu me perdi...

Foto: Google

Um comentário:

Flávio Corrêa de Mello disse...

Olá Gerson,

Há que se ter muita força para transformar a realidade. Teus posts demonstram a necessidade de mudança, tanto a interna, aquela que se realiza no indivíduo através da conscientização, quanto a externa, a partir da organização em coletivos propositivos. A bárbarie do capitalismo está nas nossas portas. Em a arted e reduzir cabeças, publicado aqui pela cia de freud, no prefácio, há um comentário interessante sobre uma frase de Lacan: "o capitalismo é tão feroz que consume tudo, inclusive a si mesmo."

abçs